Imagine começar voando no futebol nacional,
se destacando mais que o Neymar e o Gabigol, sendo cotado a ser até MAIOR que o PELÉ! Parece coisa dos sonhos, não é? Mas aconteceu de verdade com um cara! Porém, o que veio MUITO RÁPIDO também foi
embora cedo demais. Fica aqui, porque hoje, eu vou contar a história
da maior promessa que ficou exatamente na promessa mesmo: Jean Chera! (INTRO) Sempre tem aquele termo que costumamos
escutar bastante ao lidarmos com futebol   e ao acompanharmos grandes craques que, vira
e mexe, aparece por aí: Pouca mídia, muito   futebol. Esse termo se refere àqueles jogadores
que conseguem, mesmo sem tantos holofotes,   surpreender e ganhar espaço dentro das 4 linhas.
Bom, mas se tem um cara que realmente é o oposto   disso, é o Jean Chera. Para se ter uma ideia,
o Gabigol, hoje ídolo consolidado do Flamengo,   e um tal de, ele mesmo, Neymar Jr, eram tidos
como sombras desse possível novo craque. Nas   escolinhas do Santos, não tinha nenhum cara
que chegasse perto das expectativas que eram   colocadas em Jean Chera. O Ney, que hoje é o
segundo maior artilheiro da história da Seleção   e já tem títulos que o colocam na prateleira
de grandes jogadores brazucas da história,   nem era tão observado se compararmos com
Chera, que tinha a bênção de Pelé de que,   sim, se tornaria o Novo Rei do Futebol e que seria
uma nova lenda. Mas vejam só: A vida é irônica! O meia Jean Chera desistiu de jogar futebol. O jovem jogador que pintou com uma precoce
promessa no Santos, em 2005, com apenas 10 anos de idade, decidiu pendurar as chuteiras
após ver sua carreira derrapar várias vezes. Em 2016, ele estava vendendo os móveis da
sua casa em Santos e ia se mudar com a namorada, grávida de oito meses, para a cidade de Vera,
no estado do Mato Grosso. Nascido em Vera, no estado de Mato Grosso,
Chera ganhou notoriedade aos nove anos por causa de um vídeo no qual aparecia exibindo
habilidade acima da média para um garoto de sua idade. Na época, ele jogava na ADAP, e era considerado
um dos mais brilhantes jovens do clube. Essas imagens acabaram indo parar no “Domingo
Legal”, do SBT. Ele foi convidado a participar do programa
(na época, apresentado por Gugu Liberato) e fazer embaixadinhas ao vivo no palco. Isto deu mais notoriedade ao garoto. Depois disso, outros programas de TV como
o “Globo Repórter”, e o “Esporte Fantástico”, sites como o UOL, jornais e revistas nacionais,
todos fizeram reportagens sobre o garoto, enfatizando seu talento incomum e a possibilidade
de ele ir muito longe na carreira. Chera, então, chamou a atenção do Santos,
e em 2005, com 10 anos de idade, assinou contrato com o clube. No dia 11 de novembro de 2006 foi inaugurada
na cidade de Sinop a “Unidade Jean Carlos da Escola Oficial de Futebol Meninos da Vila
do Santos FC”, que era escolinha oficial do Santos na cidade. Em 2007, quando ele tinha 12 anos, ele assinou
um contrato de patrocínio com a fornecedora de material esportivo Umbro, se tornando o
atleta mais jovem a ser patrocinado pela empresa inglesa. Por conta disso tudo, ele era visto como futuro
craque, e o Peixe driblava o assédio para garantir o primeiro contrato profissional
do garoto, logo que ele fizesse 16 anos. Não à toa, em 2010, com 15 anos de idade,
seu salário era de R$ 30 mil mensais. Para efeito de comparação, com 13 anos,
Neymar ganhava R$ 25 mil mensais. Na hora de acertar o primeiro
contrato profissional  com o clube, em 2011, o pai do jogador, Celso Chera, acabou pedindo alto demais. Por um contrato de três anos, ele pediu ao
Santos salários de 70 mil no primeiro ano, 90 mil no segundo, e 120 mil no terceiro,
mais luvas de 1 milhão. A diretoria do Peixe não concordou. Por conta disso, em 25 de março de 2011,
Chera deixou o clube sem nunca ter disputado nenhuma partida oficial pelo alvinegro praiano
alegando que a diretoria da base não o valorizava, e rejeitou propostas de renovação. Dois meses depois de deixar o Peixe, Jean
Chera assinou um contrato de três anos com o Genoa, da Itália. Segundo foi noticiado, Chera chegou a receber
R$ 200 mil mensais do Genoa, fora regalias como carro de último ano, aluguel de uma
casa enorme com piscina perto da praia e um tratamento diferenciado da direção italiana. Porém o clube o só podia escalar um número
limitado de estrangeiros.Como Chera não podia atuar profissionalmente pelo clube por não
possuir passaporte europeu, no dia 17 de novembro de 2011 ele rescindiu com os italianos. Após rescindir com o clube italiano, Jean
retornou ao Brasil e assinou com o Flamengo. Ficou onze meses no clube, rescindindo o contrato
no início de dezembro de 2012. Durante o ano, marcou alguns belos gols pelo
time juvenil, mas nunca chegou a ser titular absoluto. Como vinha tendo cada vez menos chances e
não vinha sendo relacionado para o Campeonato Brasileiro Sub-17, teve seu contrato rescindido. Após o Fla, Chera assinou com o Atlético
Paranaense, em fevereiro do ano seguinte. Chera foi contratado para disputar o Campeonato
Paranaense, que o clube disputava com a equipe Sub-23, mas foi logo “rebaixado” para
o time Sub-18, porém sem jogar torneios oficiais. Mesmo assim, teve seu contrato, que terminava
dia 18 de maio, prorrogado. Depois de mais um pequeno período de “testes”,
Jean Chera não agradou a comissão técnica e diretoria, terminando seu vínculo com o
Atlético-PR no dia 20 de agosto. Dispensado do Atlético-PR em agosto, Chera
assinou com o Cruzeiro, no mês seguinte; Após passar por um período de observações,
ele rescindiu com o clube em dezembro de 2013. Segundo foi noticiado, ouviu de um empresário
sobre uma proposta do West Ham, da Inglaterra. Abandonou o Cruzeiro, sonhando em voltar à
Europa, mas depois soube que a proposta era só para maiores de idade. Quando resolveu voltar, o clube não o aceitou
de volta. Em 28 de janeiro de 2014, Chera assinou um
contrato profissional com o Oeste de Itápolis. Exatos dois meses depois (28 de março), logo
após a equipe ser rebaixada do Campeonato Paulista, ele foi dispensado pelo clube, também
sem chegar atuar em nenhuma partida. Diretores do clube alegaram que Chera não
era comprometido e estava sempre acima do peso. Em 19 de junho, ele assinou um contrato com
o CS Universitatea Craiova da Romênia. Dez dias depois de acertar com o clube, porém,
teve seu contrato rescindido. Em julho de 2014,   Chera acertou-se com o Paniliako,
da segunda divisão da Grécia. Ele finalmente fez sua estreia profissional
no dia 17 de outubro, durante o primeiro tempo de uma derrota em casa, contra o Panegialios. Em outubro, o time decretou falência e foi
rebaixado automaticamente para a quinta divisão. Desta forma, Chera se desvinculou do clube. Em novembro, Chera mudou-se para o espanhol
Buelna, da Tercera División (que, apesar do nome, é a quarta divisão nacional), não
jogando nenhuma partida pelo clube. Em janeiro de 2015, Chera regressou ao seu
país de origem, fechando com o Cuiabá. Em 21 de maio, ele foi liberado, depois de
jogar em apenas 41 minutos completados em jogos do estadual. Sua curta passagem no clube porém, lhe valeu
os seus primeiros títulos como profissional, já que ele estava inscrito na Copa Verde
de 2015 e no Campeonato Estadual. Em 30 de julho de 2015, Chera voltou para
o Santos, em um contrato de quatro meses, e sendo inicialmente atribuído a equipe sub-23. Chera foi emprestado
para a Portuguesa Santista, juntamente com outros 13 jogadores do Santos, em uma parceria
entre os dois clubes. Pelo clube, ele era reserva de Ricardinho,
um jogador de 44 anos, e marcou seus 2 únicos gols como atleta profissional. No mês de junho, porém, após uma lesão
no tornozelo, Chera se sentiu desmotivado e passou a faltar nas sessões de tratamento. Dias antes do seu “sumiço”, Jean Chera havia
brigado com seu pai. Em rápido contato com o jogador, no próprio
ano de 2016, Chera confirmou que iria parar de jogar futebol para se mudar com a família. Seu contrato com o Santos, que iria até o
fim do ano, foi rescindido. Depois de ver seu filho nascer, Jean assinou
contrato com o Sinop Futebol Clube. Pouco aproveitado durante o
Campeonato Mato-grossense,  Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro da Série D em 2017, o meia Jean Chera desistiu
de disputar a Copa FMF pelo Sinop Futebol Clube. Em 03 de setembro de 2017, Jean Chera foi
desligado do clube. Uma história decepcionante de um jogador
que poderia ter ganhado o MUNDO! O que achou da história? Gostou do vídeo? Deixe aqui sua opinião sobre o que ocorreu
com Jean Chera nos comentários! Se inscreva, ative o sininho para receber
notificações dos vídeos, deixe seu like, compartilhe para que mais pessoas conheçam
a história e nos vemos no próximo! Até. (ENCERRAMENTO)